omd

Electricity

Dia 26

Todo o cartaz desta noite é francamente positivo, mas há uma banda que para mim se demarca das restantes. Refiro-me aos Orchestral Manouvres in the dark (OMD). Ainda me lembro de ouvir pela primeira vez o clássico “enolagay” na RFM. Foi desde logo um caso sério de amor. Depois desse primeiro encontro apaixonante seguiu-se a procura de mais temas. Vamos a um conjunto de hits. Nada mau para começar . Seguiu-se então um desfile de pérolas . Desde “If you leave” , “So in love” , “Souvenir” até ao emocionante “Forever Live and Die” . É o último dos concertos desta segunda noite. Mas como diz o velho ditado : os últimos são sempre os primeiros.

Texto/Irene Mónica Leite

Fotos dos concertos brevemente

A ver se nos entendemos em palco:

Costuma-se dizer (sim, volto a bater na tecla) que prognósticos só no final do jogo . Mas eu arrisquei e acertei . Orchestral Manouvers in the dark foram o concerto da noite. Já lá chegamos.

Para já destaco um Ian Mcculloch, Echo and the Bunnymen , claro, interactivo quanto baste com o público. Num concerto em que o poeta Ian desfilou êxitos como os obrigatórios “The Killing Moon” com direito a versão extensa de “Lips like sugar”. Houve ainda espaço para homenagens a Jim Morrison ou lou Reed. “Take a look on the wild side” foi o mote. Bonito.

Milky Chance também foram um dos momentos da muy nobre noite. Com o seu agradável cocktail sonoro , que vai da pop , à folk ao rock, vejam tamanho ecletismo. Foi um momento de partilha e comunhão entre público e banda . “Paz e amor”, disseram no final.

No que aos sons nacionais diz respeito, David Fonseca deu um grande espectáculo. Sim, reforço , espectáculo , com uma brilhante componente cénica. Homenagens a David Bowie com “Let´s dance” ou ao grande António Variações . “Quero é viver”, cantou David , com paixão. Vénia. Não faltaram êxitos como “Kiss me oh Kiss me”, “Eighties” devidamente encadeado com “Video killed the radio star”, dos icónicos da new wave , Buggles. A interacção com o público foi fantástica.

Destaques para Neev e Linda Martini.

Neev pela sua pop deliciosa e profissional.

Linda Martini porque são Linda Martini. Dispensa apresentações, certo? E ainda bem. Só que a casa foi literalmente “arrombada”.

E porque os ultimos são sempre os primeiros a noite foi sem sombra de dúvidas dos Orchestral Manouvres in the Dark.

Para já começaram maravilhosamente com o grande êxito e clássico também , “enolagay”. Seguiram-se canções que visitaram o passado e o presente , com o álbum History of Modern metido ao barulho. E ainda bem. “Locomotion”, “Tesla Girls”, “Forever Live and Die” desfilaram com o público a acompanhar numa verdadeira comunhão elétrica. E sim, electricity foi o tema final do concerto. Soberbo.

Hoje há mais e as minhas apostas vão para Waterboys e Tindersticks .

Continua a fazer-se história em Vilar de Mouros.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s